Categorias

Fotos & Eventos (41) Futebol (16) Humor (6) Internacional (35) Mombaça (633) Nacional (274) Polícia (503) Política (86) Regional (665) Tecnologia (28)

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Açudes do Sertão Central começam a receber água, mas volumes ainda são críticos

Boa parte dos açudes públicos no Centro do Estado monitorados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) começou a receber água com as chuvas dos últimos dias. Além do Açude Arrojado Lisboa, em Banabuiú, o terceiro maior do Ceará, saindo de 0,5% para 2,13%, representando 340 milhões de m³, a barragem de Quixeramobim recebeu 250 mil m³, chegando aos 3,17% da sua capacidade, de 7 milhões de m³.

Situada no entorno desta cidade, a barragem, que estava completamente seca desde julho de 2016 voltou a formar uma lâmina d’água em uma considerável extensão, atraindo muitos moradores para o local. Mesmo assim a preocupação continua, considerando-se que o principal manancial de abastecimento, o rio Quixeramobim, é barrado mais acima, onde fica situado o Açude Fogareiro, atualmente com apenas 1,99% do seu volume. O reservatório tem capacidade para 118,8 milhões de m³.

A maior preocupação, na região, entretanto, é com o Pedras Brancas, atualmente abastecendo Quixadá e Quixeramobim. As chuva dos últimos dias trouxeram um pequeno volume, inferior a 1%. No inicio de abril era de 4,32%. Agora está com 5,06%. No início de março deste ano atingiu o seu nível mais crítico, com apenas 4,38%, desde quando a Cogerh iniciou o monitoramento, em janeiro de 2004. O açude com capacidade para 456 milhões de m³ nunca sangrou, mas chegou em julho de 2009 a 90,6%.

Apesar de o intervalo das 7h da sexta-feira para s 7h do sábado a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) não ter registrado chuvas expressivas do Sertão Central, a previsão para este domingo (15) é de possibilidade de precipitações, com nebulosidade em todo o Estado, continuando pelos próximos dois dias. O fenômeno é provocado pela atuação da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT).






Fonte: Diário do Nordeste


Nenhum comentário:

Postar um comentário