Categorias

Fotos & Eventos (41) Futebol (22) Humor (6) Internacional (44) Mombaça (732) Nacional (352) Polícia (591) Política (106) Regional (788) Tecnologia (31)

Breaking News

Comercial Valéria

segunda-feira, 28 de maio de 2018

Ceará corre o risco de desabastecimento de carne e leite

Os cearenses podem amanhecer sem carne e leite na manhã de terça-feira (29). Os bloqueios de caminhões nas BRs e CEs, em protesto contra o aumento de combustíveis há sete dias, estão inviabilizando o fornecimento de lacticínios e carnes na Capital, Região Metropolitana e parte do Interior. Segundo a Associação Cearense de Supermercados (Acesu), a realidade é presenciada pelas direções dos 400 supermercados regionais e multinacionais filiados à entidade.

De acordo com Gerardo Vieira, presidente da Acesu, na segunda-feira (28), os supermercados devem sofrer com a ausência de produtos de hortifruti. "Nós vamos amanhecer na segunda faltando boa parte de frutas e verduras. Muita coisa se estragou nos caminhões nas estradas. A parte de laticínios está preocupante. Até amanhã estamos abastecidos de carne e leite. Não sabemos como será na terça-feira (29)", explica o gestor.

Racionamento

Ainda segundo Vieira, a Acesu vem chamando a atenção dos governos federal e estadual por intermédio da imprensa. "Não procuramos os poderes de forma oficial. Estamos utilizando as mídias para que eles possam ver a nossa situação".

Conforme levantamento da entidade, já existem supermercados na Capital que estão racionando itens, por consumidor, para que todos possam comprar sem acelerar o desabastecimento. Conforme o presidente da Acesu, a estimativa é que vendas tenham sofrido uma queda média de 10% no Estado.

"Ainda não existem supermercados fechados no Ceará. Em muitos deles, os gerentes estão informando, através de comunicados nas prateleiras, que está faltando itens devido à paralisação dos caminhoneiros. Estamos abertos ao diálogo por meio da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Nosso desejo é que as cargas voltem a ser entregues normalmente ainda nesta semana", acrescenta.

Ele informa que, desde a determinação para desbloqueio das rodovias, não houve ainda nenhum apoio com escolta do Exército ou mesmo das polícias para o transporte de cargas aos supermercados no Ceará.

Comércio funcionará

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDL) de Fortaleza confirmou, na tarde de ontem, que o comércio no Centro da Capital funcionará normalmente nesta segunda-feira (28). Segundo a entidade, boatos estavam circulando na internet sobre um suposto fechamento das lojas.

Quem também foi atingido com o bloqueio das rodovias estaduais e federais foi a Central de Abastecimento do Ceará (Ceasa). De acordo com Odálio Girão, analista de mercado, a Central aguardava a chegada de 200 caminhões de outros estados na tarde de ontem, mas nenhum veículo deu entrada nos pátios de descargas.

Faltam frutas

"Está comprometida a distribuição de laranja, goiaba e melão. O morango já acabou. A melancia ainda tem estoque remanescente da semana passada", reitera Girão. Ele explica que a cada entrega dão entrada cerca de 400 caminhões, sendo 200 de origem estadual e os outros de estados como Bahia, Minas Gerais e São Paulo.

"Atualmente, o que ainda está vindo de forma regular são caminhões de Maranguape e de alguns outros municípios da Região Metropolitana de Fortaleza. Eles trazem carga com ata, banana, coco verde, chuchu, limão, cenoura e beterraba", destaca. Graças ao auxilio de câmaras frias, alguns comerciantes conseguiram salvar parte das cargas de maçã e pera.

O analista explica que 54% do fornecimento de frutas e verdura da Ceasa é mantido por outros estados. O Ceará abastece com 46%. "A próxima carga será a de quarta-feira (30) para quinta-feira (31). Para que o abastecimento retorne ao normal é preciso aguardar uma nova colheita. Se a greve terminasse ontem, para retomarmos o abastecimento, seriam necessários pelo menos uns cinco dias. Tem toda uma logística de envio por modais terrestres. Normalmente, nossos produtos vêm de cidades da Bahia e Minas Gerais, onde estão com os maiores bloqueios".




Fonte: Diário do Nordeste


Nenhum comentário:

Postar um comentário