Categorias

Fotos & Eventos (41) Futebol (22) Humor (6) Internacional (43) Mombaça (727) Nacional (337) Polícia (581) Política (101) Regional (774) Tecnologia (29)

Breaking News

Comercial Valéria

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Mulher entra em grupo de WhatsApp no Ceará e aplica golpe de R$ 80 mil

Pelo menos 15 pessoas alegam ter sido enganadas por uma mulher que oferecia produtos eletrônicos vindos dos Estados Unidos por valores abaixo de mercado em um grupo de WhatsApp. A Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF), em Fortaleza, investiga o caso.

Uma das vítimas que prefere não ser identificada disse que a estelionatária deu um golpe de pelo menos R$ 80 mil. Uma das pessoas teve prejuízo de R$ 12 mil.

Inicialmente, para ganhar a confiança das vítimas, a suspeita começou a vender bebidas e outros produtos com preços baixos. Porém, depois de algum tempo no grupo, ela desapareceu sem dar explicações. Das 15 pessoas, onze são de Fortaleza e quatro de São Paulo.

“Não teve como desconfiar. Ela estava lá no grupo e começou a oferecer produtos dos Estados Unidos com preços bem atrativos. Outra coisa era a referência. Algumas pessoas conheciam ela. Pesquisei na internet e tudo e vi que ela tinha uma empresa de bebidas e referência boa. E sobre os produtos sempre dava satisfação”, conta.

Ainda de acordo com uma das vítimas, 15 pessoas depositaram dinheiro para suposta vendedora. Onze delas já procuraram a polícia. As vítimas realizaram o boletim de ocorrência na segunda-feira (14) e terça-feira (15).

Dona de distribuidora de bebidas e pneus

Uma segunda pessoa lesada no golpe, que prefere não se identificar, afirmou que pesquisou a vida pessoal da estelionatária. “Sabemos que ela é casada e tem um filho. Descobrimos também que ela é dona de uma distribuidora de bebidas e de pneus no Bairro Vila Manoel Sátiro. Falei até com o gerente da agência do banco dela que me disse que a conta dela está proibida de sacar”.

Outra vítima relata que após a demora da chegada dos produtos, a estelionatária dizia que as mercadorias eram barradas pela receita e sempre adiava a entrega.

“Bem, a gente esperava o produto e ela dizia que chegaria em uma determinada data. Dava uma desculpa que eles tinham ficado presos na receita e depois estipularia que chegaria em outro dia. Aí, ela sempre dava desculpas, mensagens”.




Fonte: G1 CE

Nenhum comentário:

Postar um comentário