quinta-feira, 1 de novembro de 2018

Bolsonaro diz que Moro pediu 'liberdade total' e que não vai interferir no trabalho do ministro

O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (1º) ter concordado "100%" com os pedidos do juiz Sérgio Moro para assumir o Ministério da Justiça, entre os quais "liberdade total" para combater a corrupção e o crime organizado.

Até então responsável pelos processos da Operação Lava Jato no Paraná, Moro viajou ao Rio de Janeiro nesta quinta-feira e aceitou o convite de Bolsonaro para comandar o Ministério da Justiça e Segurança Pública a partir do ano que vem. Com isso, Moro deixou a Lava Jato.

"Conversamos por uns 40 minutos e ele [Moro] expôs o que pretende fazer caso seja ministro e eu concordei com 100% do que ele propôs. Ele queria uma liberdade total para combater a corrupção e o crime organizado, e um ministério com poderes para tal", disse o presidente eleito.

Ao conceder entrevista coletiva na casa dele, no Rio de Janeiro, Bolsonaro disse que não vai interferir do trabalho do futuro ministro.

Questionado se Moro será o "xerife" do governo, respondeu: "É um ministério importante e, inclusive, ficou bem claro em conversa entre nós que qualquer pessoa que porventura apareça nos noticiários policiais vai ser investigada e não vai sofrer qualquer interferência por parte da minha pessoa".

Além de Sérgio Moro, Bolsonaro já anunciou os nomes de outros quatro ministros: o deputado Onyx Lorenzoni (Casa Civil), o economista Paulo Guedes (Economia), o general Augusto Heleno (Defesa) e o astronauta Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia).

Reforma da Previdência
Durante a entrevista desta quinta-feira, Bolsonaro também foi questionado sobre o andamento da reforma da Previdência e disse que "aprova" a proposta que vier a ser aprovada pela Câmara dos Deputados.

Enviada em 2016 pelo governo Michel Temer, a reforma chegou a ser aprovada numa comissão especial da Câmara, em maio de 2017, mas não avançou desde então.

"Se pudesse dar um passo, que seja. Seria bom. Eu aprovo a reforma que pode ser aprovada pela Câmara, está certo? Eu quero ver a última versão dela com mais cuidado, semana que vem eu já vou estar a par dela", afirmou o presidente eleito.

"Eu tenho falado que a proposta que eu, que o Paulo Guedes quer, é aquela que pode ser aprovada pela Câmara", acrescentou.


0 comentários:

Postar um comentário