terça-feira, 13 de novembro de 2018

Morte de traficante do Comando Vermelho alerta sobre o risco de chacina no Ceará

A morte de um traficante de drogas no bairro Bom Jardim, na tarde desta segunda-feira (12), desencadeou um clima de tensão e levou a Polícia a entrar em alerta máximo diante do risco de uma nova chacina na Capital e sua Região Metropolitana. O homem assassinado seria irmão de um dos líderes da facção criminosa Comando Vermelho (CV), em Fortaleza. Nas redes sociais, a facção emitiu um “salve geral” conclamando os bandidos do grupo para uma reação em cadeia, violenta e imediata.

Robério Santos Menezes, o “Escobar”, segundo a Polícia, seria traficante de drogas e comandava o movimento da venda de drogas no Conjunto Araturi, em Caucaia, na RMF. Na tarde de ontem, ele foi baleado e morto na Rua Três Corações, no bairro Granja Lisboa, no Grande Bom Jardim. Câmeras de residências e pontos comerciais gravaram o momento em que “Escobar” é perseguido e baleado por um homem que havia chegado ao local em uma motocicleta, usando capacete e uma mochila. Ele sacou uma pistola e executou o traficante do CV.

“Escobar” era irmão do também traficante de drogas Adriano Soares Menezes, o “Vô”, tido como um dos principais “conselheiros” do CV no Ceará e que, em 2015, foi transferido de Fortaleza para o Presídio Federal de Catanduvas, no Paraná. “Vô” possui, ao menos, 19 processos na Justiça por envolvimento com o tráfico. Ao ser preso no Ceará, seu irmão teria assumido o posto de comandar a venda de drogas e armas, de acordo com a Polícia.

“Escobar” também tinha uma longa ficha criminal. Seria parceiro do também traficante de drogas Antônio Lucivando Nunes da Silva, o “Vandin” ou “Lu”. Os dois passaram a ser investigados desde 2012 pela Delegacia de Narcóticos (Denarc), até que foram presos na comunidade Por do Sol, na CE-040, em Messejana, com cerca de 200 quilos de pasta base de cocaína. “Escobar” também era apontado como suspeito de assassinar um turista na Praia do Cumbuco, em Caucaia, em 2010. Com informações do Jornalista Fernando Ribeiro.



0 comentários:

Postar um comentário