quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

Açude Orós atinge o pior nível hídrico desde a sua inauguração em 1961

O Açude Orós pode atingir o volume morto neste ano. A estimativa é do Comitê da Bacia do Alto Jaguaribe. O prognóstico advém do baixo volume do reservatório, o qual atingiu seu pior volume (5,3%) desde sua inauguração, em 1961. Há, ainda, uma expectativa de continuidade da redução aquífera nos próximos dias. Fevereiro é o primeiro mês da quadra chuvosa e, até agora, não houve recarga nos principais reservatórios do Estado. As informações são do Diário do Nordeste.

O baixo volume resulta em uma situação crítica: fim dos criatórios intensivos de tilápia, queda na atividade de pesca, desemprego, impossibilidade de irrigação e dificuldades de abastecimento de água de três cidades e dezenas de localidades rurais.

O Açude Orós, na região Centro-Sul do Estado, integra a Bacia do Alto Jaguaribe. É um reservatório estratégico para atividades produtivas e abastecimento de água para milhares de famílias. De acordo com o Portal Hidrológico da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), o Orós acumula apenas 5,3% de sua capacidade que é de 2 bilhões de metros cúbicos. O atual ciclo de escassez de chuva, que começou em 2012, contribui para a perda da reserva hídrica. A última vez que o reservatório transbordou foi em 2011.

"O Orós nunca esteve tão seco como está agora", observa o encarregado do posto do Departamento Nacional de Obras contra as Secas (Dnocs), Raimundo Nonato de Souza. "Agora já dá para ver a galeria de tomada de água para a válvula, próximo ao sangradouro, que sempre esteve encoberta", diz.

Do mirante, onde está a estátua do ex-presidente Juscelino Kubitschek, é possível observar o ressurgimento de ilhotas, de bancos de areia e de pedras, que antes estavam encobertos. Ruínas da igreja da localidade de Conceição do Buraco que foi encoberta pelas águas também começou a surgir. A tendência é de perda de volume nos próximos dias porque as chuvas estão escassas na região e o reservatório continua liberando, em média, cerca de mil litros por segundos para abastecimento das cidades de Jaguaretama e Jaguaribe por meio do leito do Rio Jaguaribe.






0 comentários:

Postar um comentário