segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Pesquisas que usam pele de tilápia para tratamento de doenças avançam no Ceará

As pesquisas que utilizam a pele de tilápia para tratamento ou cura de problemas e enfermidades continuam avançando no Ceará.

O tecido animal foi utilizado como curativo biológico em queimaduras ,e um novo teste tem se mostrado eficaz na reconstrução de parte do canal vaginal de uma paciente que sofreu complicações de uma radioterapia pélvica.

A paciente, que veio a Fortaleza para realizar o procedimento, se recupera da cirurgia feita em novembro, na Maternidade Escola Assis Chateaubriand.

De acordo com o médico Leonardo Bezerra, o procedimento foi feito em duas etapas: a primeira através da laparoscopia, onde as estruturas bexiga e reto foram separadas. Num segundo momento, o canal vaginal foi refeito.

“Com a pele de tilápia, ela possibilita a regeneração dessa camada celular, ou seja, ela se transforma em células humanas, do epitélio vaginal, através do recrutamento de células troncos, estimulo de crescimento de novas células e de estruturas como colágeno”.

Saiba mais
Pele de tilápia agora pode virar produto para tratamento de feridas vendido em farmácias
Hospital Universitário realiza mutirão de prevenção e combate ao câncer de pele

Enquanto o tratamento está em andamento, a paciente utiliza um molde de látex para fixar a pele de tilápia no novo canal vaginal. Embora tenha uma vida normal, ela ainda não pode ter atividade sexual. Sua evolução está sendo observada.

“Se você examina-lá, não dá para saber que ela passou por esse problema, que ela chegou um dia a não ter um canal vaginal pélvico normal como ela tem agora. Os próximos passos portanto é fazer os estudos de biopsia para saber se houve mesmo recuperação celular”. Se confirmada a recuperação celular, a paciente pode reiniciar a vida sexual em dois ou três meses.

Não é a primeira vez que a pele de tilápia é usada em tratamentos ginecológicos. Os testes já foram eficazes em 10 mulheres que nasceram com a síndrome de Rokitanksky, doença que provoca alterações no útero e até ausência de parte da vagina. A diferença para a paciente mineira é que ela desenvolveu problemas na cavidade vaginal ao longo da vida.

A membrana do peixe é estudada em pelo menos outros 27 tratamentos. Mais um deles deve ter a fase de testes iniciada. Em março, no Hospital Universitário Doutor Walter Cantídio, uma equipe de pesquisadores vai verificar se a pele serve como prótese natural de feridas em diabéticos. Se comprovada, o tratamento pode evitar casos de amputações.



Fonte: Tribuna do Ceará

0 comentários:

Postar um comentário