quarta-feira, 27 de março de 2019

Indígenas bloqueiam BR-222 (Ceará) em protesto contra municipalização da saúde

Indígenas bloquearam os dois sentidos da rodovia BR-222, no município de Caucaia, na manhã desta quarta-feira (27), em protesto contra a proposta do Governo Federal de municipalizar os serviços de saúde indígena. Cerca de 1.500 pessoas participaram do ato, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF). Os protestos também acontecem em outros estados.

Segundo a PRF, todas as faixas ficaram bloqueadas no km 7, próximo à Lagoa do Tabapuá, por volta das 8h50. A polícia informou que às 9h15 uma das faixas foi liberada para o tráfego local, no sentido interior-capital.

No último dia 20, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, anunciou mudanças na pasta. Dentre elas, a extinção da Sesai. Desta forma, segundo os manifestantes, os índios passariam a ser atendidos pelos municípios.

Por nota, o Ministério da Saúde informou que eventuais mudanças ainda estão em estudo, e que está empenhado em aprimorar o atendimento diferenciado à população indígena (leia na íntegra abaixo).

Leia nota do Ministério da Saúde
"O Ministério da Saúde esclarece que a realização de ações na Atenção à Saúde Indígena desenvolvidas pela Secretaria Especial de Saúde indígena (SESAI) é uma das atribuições da pasta e que as eventuais mudanças no desenvolvimento dessas ações de vigilância e assistência à saúde aos povos indígenas ainda estão sendo objeto de análise e discussão.

É importante deixar claro que não existe, no momento, medida provisória do governo federal que modifica a política indigenista do país e municipaliza os serviços de saúde de indígenas.

Cabe ressaltar que não haverá descontinuidade das ações. Para isso, o Ministério tem se pautado pela garantia da continuidade das ações básicas de saúde, a melhoria dos processos de trabalho para aprimorar o atendimento diferenciado à população indígena, sempre considerando as complexidades culturais e epidemiológicas, a organização territorial e social, bem como as práticas tradicionais e medicinais alternativas a medicina ocidental."


Fonte: G1 CE

0 comentários:

Postar um comentário