domingo, 18 de agosto de 2019

Profissionais discordam de críticas a formas de alongamento

Provocou bastante controvérsia nas redes sociais a publicação do O POVO Online na qual o médico ortopedista Rodrigo Astolfi defende que algumas formas de alongamento de peitoral, tríceps, quadríceps e pescoço não têm benefício ortopédico. A tese é contestada por profissionais das áreas de Fisioterapia e Educação Física. Astolfi é chefe do grupo de cirurgia do pé do Hospital Geral de Fortaleza (HGF).

Segundo o fisioterapeuta especialista em traumato ortopedia, Denilson Queiroz, qualquer tipo de atividade pode ser prejudicial se for realizada de forma incorreta ou em excesso. “Quando ele diz que um alongamento como o citado, em que se puxa o tornozelo fazendo a flexão do joelho, causa o desgaste da patela, eu discordo totalmente, pois esse desgaste só acontece porque existe uma patologia em curso chamada condromalácia patelar, devido a alterações de carga no peso do corpo”, defende o fisioterapeuta.

Denilson afirma que não é o alongamento que irá provocar desgaste, e sim quaisquer movimentos, incluindo os mais simples, como sentar, levantar, caminhar, e se houver algum tipo de disfunção.

A personal trainer Franciele Oliveira, especializada em Treinamento Desportivo, acrescenta que o alongamento passa longe de ser uma atividades desnecessária. “Se você não tiver uma musculatura devidamente alongada você pode ter um encurtamento, e isso pode gerar várias lesões”.

Ela explica que o alongamento pode ser contraindicado para algumas pessoas com particularidades específicas, como idosos com certo grau de artrose, por exemplo. Isso não significa que a atividade vá ser excluída total e definitivamente, mas adaptada.

A profissional de Educação Física destaca que existem diversos tipos de alongamentos e que o importante é equilibrar a necessidade de cada indivíduo com o melhor método.



Fonte: O Povo Online

0 comentários:

Postar um comentário