terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

UFC: Matrículas são canceladas por fraude no sistema de cotas

Quinze matrículas de estudantes da Universidade Federal do Ceará (UFC) foram canceladas. A maior parte dos universitários cursava Medicina na instituição. A causa, segundo o Ministério Público Federal (MPF) seria o uso indevido de cotas raciais. O grupo se autodeclarava negro e indígenas, mas na verdade não era. 

Conforme Lei Federal, que rege o sistema de cotas nas universidades, a UFC reserva 50% de suas vagas para alunos que tenham cursado integralmente o Ensino Médio em escolas públicas. Os demais 50% permanecem para ampla concorrência. Mas nas vagas destinadas a alunos que vieram das escolas públicas, há também reservas para candidatos autodeclarados pretos, pardos e indígenas.

O problema, segundo o procurador da República no Ceará, Oscar Costa Filho, é que muita gente anda mentindo para garantir uma vaga através das cotas. Pessoas brancas se passando por negras. E gente de classe média entrando como baixa renda. Segundo o MPF, ainda não dá para saber o número exato de fraudes. Alguns dos ex-estudantes de Medicina que tiveram a matrícula cancelada estavam próximos de concluir a graduação. 

Em nota, a Universidade Federal do Ceará (UFC) falou sobre a ocupação indevida de vagas. Leia a íntegra:
Nos últimos processos seletivos, realizados sob a Lei nº 12.711/2012, a ocupação das vagas reservadas para pretos, pardos e indígenas estava condicionada à entrega de uma autodeclaração, assinada pelo candidato, no ato da primeira matrícula. Entretanto, os canais de comunicação da UFC com a sociedade, especialmente a Ouvidoria, vinham recebendo denúncia de ocupação indevida, especialmente nos três últimos anos. A Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD/UFC) passou a dialogar com as demais Universidades Federais para estabelecer um meio de coibir condutas contrárias aos objetivos da lei. A Procuradoria da República no Ceará, por sua vez, ajuizou Ação Civil Pública, em 2017, também com base em denúncias, para levar a discussão ao Judiciário.

Nessa ação, a Universidade, o Ministério Público e o Judiciário puderam, em diálogo, estabelecer um modelo que atendesse às exigências de moralidade que se coadunam com a ação pedagógica e transformadora de uma Universidade. Foi determinado, por meio da sentença judicial, em abril de 2019, que a UFC deveria formular e implementar um sistema complementar à autodeclaração. Dessa forma, a Instituição adotou o modelo de heteroidentificação, já utilizado nos concursos públicos com reserva de vagas, diminuindo a condição exclusiva e absoluta da autodeclaração.

A ocupação de vagas PPI ainda exige que o candidato assine a autodeclaração, mas tal documento poderá ser confrontado com relatório emitido por uma comissão de cinco membros, composta em atenção à diversidade de cor e gênero, que, presencialmente, fará uma identificação fenotípica com os estudantes convocados a partir de denúncias de ocupação irregular. Em caso de divergência entre a autodeclaração e o relatório da comissão de heteoridentificação, o candidato poderá solicitar uma segunda verificação por comissão diferente da primeira. Se persistir a divergência, o estudante deverá ter sua matrícula cancelada pelo não enquadramento às condições de cota pleiteada.

A UFC entende que, como executora de uma política pública, e diante de denúncias, tem o dever institucional de aprimorar o sistema de ocupação das vagas em reserva. É a melhor forma de assegurar o cumprimento da Lei, colaborando para o primado da Justiça e da Ética.


(CNews)

0 comentários:

Postar um comentário