quarta-feira, 11 de março de 2020

Marido acusado de matar agricultora é condenado a 30 anos de prisão, em júri popular no Ceará

Francisco Erivan Rangel Filho, conhecido por “Pantico”, e José Ribeiro Duarte, o "Rogai",  acusados de matar a agricultora Aparecida Ferreira Lima Rangel em 14 de janeiro de 2018, foram condenados, respectivamente, a 30 anos e 22 anos de prisão.

O marido da vítima, Francisco Erivan, foi condenado a um tempo de prisão maior porque, segundo o júri, embora fosse casado com a vítima há 20 anos, teria agido com crueldade e frieza, premeditando o crime. 

Inicialmente, a suspeita era de que o companheiro da agricultora teria cometido um feminicídio motivado por um ciúmes sem controle, relatado por familiares em depoimentos.

Já  Erivan chegou a dar um depoimento falso, declarando que ele e sua companheira estavam voltando de um balneário numa motocicleta na noite do crime, quando ela, que estava na garupa da moto, se desequilibrou e caiu na rodovia CE-288, sendo atropelada por um outro veículo. 

Porém, uma denúncia do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) apontou interesse financeiro como a motivação para o assassinato. De acordo o MPCE, Erivan fez um seguro de vida para ela em novembro de 2017 e colocou-se como beneficiário de um prêmio no valor de R$ 800 mil. Para a polícia, foi justamente este seguro o que teria motivado o crime.

Quanto à pena de José Ribeiro, o júri considerou que ele aceitou receber o valor de R$ 400 como forma de pagamento para tirar a vida da agricultora. A ideia era que simulasse um assalto e, em seguida, matasse a mulher.    

Os dois homens acusados pelo crime de feminicídio foram a júri popular nesta terça-feira (10). O julgamento durou mais de 12 horas, com início às 10h30 e fim às 23h, no Fórum Desembargador Jaime de Alencar Araripe, na mesma cidade.


(Diário do Nordeste)



0 comentários:

Postar um comentário