sexta-feira, 14 de agosto de 2020

Ministério Público deflagra duas operações de combate a facções no Ceará

Uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) cumpre, na manhã desta sexta-feira (14), 11 mandados de prisão e nove mandados de busca e apreensão contra integrantes de duas facções criminosas, uma com atuação em todo território nacional e outra com atuação em região específica de Fortaleza. Os trabalhos fazem parte de duas operações denominadas “Fluxo de Caixa e “Prisioneiras”. 

Fluxo de Caixa  
De acordo com o MPCE, a operação denominada “Fluxo de Caixa” teve início a partir de informações fornecidas pelo Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP).  

Na ocasião, o relato dava conta da prisão de um indivíduo que admitiu ser integrante de uma facção criminosa com atuação em todo território nacional. Na posse dele, foi encontrado um documento contábil com a indicação de várias contas bancárias e valores, tudo separado por estado da federação.  

O indivíduo admitiu que a contabilidade com ele apreendida se referia a comprovantes de depósito do país inteiro, e, após análises, foi possível concluir que ele fazia depósitos (“ajuda”), a partir de dinheiro arrecadado pela facção (com tráfico de drogas, mensalidades, rifas, etc.), em benefício de integrantes ou colaboradores da facção de outros estados, soltos ou presos.  

Nesse contexto, foi possível identificar os titulares das contas bancárias usadas pela referida facção no Estado do Ceará e, a partir daí, foi descoberto um esquema criminoso que envolve tráfico de drogas, associação para o tráfico, e eventual prática de lavagem de dinheiro. 

Prisioneiras 
As investigações da operação “Prisioneiras” tiveram início após inspeção extraordinária realizada pelo Núcleo de Investigação Criminal, órgão do Ministério Público do Estado do Ceará, em 2017, no Instituto Penal Feminino Desembargadora Auri Moura Costa (IPF).  

Na ocasião, foi constatada uma grande quantidade de celulares em poder das detentas, razão pela qual foram apreendidos vários aparelhos na unidade prisional.  

Após autorização judicial, foi realizada a extração de dados dos celulares apreendidos, o que ensejou na descoberta de diversas condutas delitivas praticadas por uma associação criminosa voltada para o tráfico de drogas na região do bairro Vila Peri, em Fortaleza.  

A maioria integrava uma facção com atuação mais incisiva no Estado do Ceará. 

Os mandados judiciais foram expedidos pela Vara de Delitos de Organizações Criminosas do Estado do Ceará e estão sendo cumpridos pelo Departamento Técnico Operacional da Polícia Civil nos municípios de Fortaleza e Maracanaú; e pela Secretaria de Administração Penitenciária do Estado do Ceara (SAP) nas unidades prisionais José Sobreira de Amorim, CPPL II, IPPO II e Instituto Penal Feminino Auri Moura Costa.    
A operação contou com o apoio do Departamento Técnico Operacional da Polícia Civil (DTO) e da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado (SAP). 


(Diário do Nordeste)

0 comentários:

Postar um comentário